As inundações em Lisboa

Vamos ver se nos entendemos. A culpa das inundações na zona de Lisboa não é das autarquias. Nem do Governo.
Porque a culpa é de todos: do Governo, das Câmaras Municipais, das Juntas de Freguesia, dos Serviços Municipalizados, do INAG, dos moradores, dos constructores, de todos nós que queremos morar perto das cidades... É que não é possível culpar apenas uma entidade pela ocupação das zonas de cheia dos rios, pela falta de limpeza dos sistemas de águas pluviais, pela impermeabilização dos solos, pela construção de muros e muretes que barram o caminho à água. A culpa é nossa, colectivamente.
Desde sempre que as populações moraram à beira dos rios. E sempre souberam qu as cheias eram inevitáveis. E, nalguns lugares, as cheias eram mesmo a melhor parte da conversa. Pois, mas nós somos um país evoluído. "Porque raio de carga de água é que tem de haver cheias em Lisboa? Elas que apareçam lá noutro lugar qualquer onde dão jeito aos agricultores, que nós aqui somos donos de restaurantes e temos prejuízos todos os anos."
A culpa é de todos que nos esquecemos que somos pequenos quando comparados com a força da natureza. Pequenos e estúpidos porque até temos a presunção de ser capazes de a controlar!

Estas coisas irritam-me. Fico fora de mim com a demagogia dos políticos que não são capazes de assumir o que lhes toca. Fico possessa com as tiradas cheias de razão do povo que acha sempre que todos lhe devem e nnguém lhe paga. Mas o que me põe mesmo fora de mim é a incapacidade de aprender, de perceber que ali há sempre cheias de cada vez que caem umas pingas e que, mesmo que o Estado venha a tomar algumas precauções, agora já é tarde e quem ali mora tem de aprender a defender-se e a viver com aquilo. Com muito menos drama por favor. Porque foram vocês que escolheram morar aí; que construiram as casas e as caves ilegais que agora se inundam. E são vocês que metem lajetas de betão no quintal para evitar a poeira (pois, agora essas belas lajetas evitam que quando chove a água se infiltre e portanto tem de encontrar caminho à superfície). E porque ruela que é ruela tem de estar alcatroada. E porque o ribeiro teve de ser encanado para se construir uma urbanização e uma escola por cima.
As cheias existem porque sempre existiram. O único problema é que agora elas nos chateiam. Como se isso lhes imprtasse!

Comentários

M disse…
Muito bem dito!
Mau Feitio disse…
pois M., é a leitura de um engenheiro...
myself disse…
É isso mesmo. Como diaz Helena Roseta "A culpa é de todos, dos governos centrais, das autarquias e da sociedade, que não exige que se aprendam as lições."