Eu já alguma vez disse aqui que não gosto do Santana Lopes?

E que dispenso a opinião dele? Sobretudo quando não consigo deixar de achar que tudo aquilo me soa a falso.
Segunda-feira, 7 de Abril. Eu, no carro, a caminho do congresso, a ouvir a TSF à espera que chegassem as notícias da bolsa. Entra no ar o caríssimo presidente do grupo parlamentar do PSD (quer dizer, por acaso nem sei em que condição é que o sr. fala na TSF mas para o efeito não interessa nada), a defender a posição da igreja contra a proposta do Governo de reduzir o tempo de separação antes do divórcio litigioso. Bla bla bla bla... mas quando ele remata com tiradas do género (e não vou citar, só quero apanhar o espírito)"coisas que querem destruir valores profundamente enraizados na cultura portuguesa", "é extremamente perigoso...", só me dá vontade de lhe dar uns abanões em nome de toda a gente que esá amarrada por lei a uma vida que já não quer. E como raio de carga de água é que ele tem a lata de vir com aquele tonzinho moralista? Que eu saiba ele não é um homem casado, que, nem que chovam canivetes, sai do matrimónio. Grrrrrrr

Sem comentários: