O poder das palavras

Não estou a pensar no poder bom. Não estou a pensar na capacidade de comunicar ideias e sentimentos. Estou a pensar no poder mau das palavras. Aquele que faz com que uma frase mal escolhida, lançada em público, descredibilize completamente alguém. Ou nos faça lembrar porque é que essa pessoa não tinha crédito antes.
A frase "terrorismo político" do Sr. Bastonário da Ordem dos Advogados é uma dessas. Ou concretiza tim-tim pot tim-tim ou está calado. Ou explica com linguagem clara para o comum dos cidadãos ou está calado.
Não tenho jeito para agitadores de praça pública. Se acha que está mal, faça o trabalho dele e fale com o Procurador da República. Ou lute silenciosamente por melhorias. Mas vir tentar convencer toda a gente que o Ministério Público são uns gajinhos pidescos só porque fizeram buscas com mandato em escritórios de advogados, é francamente incorrrecto. Se as buscas fossem num gabinete médico era bom? Numa empresa de construção? Com aquelas palavras eu não sei se ele está a querer proteger toda a gente ou só a classe. Se for a classe, é para isso que lhe pagam. Mas por acaso acho que anda a fazer um mau serviço.
É nestes dias que eu abençoo o silêncio da Ordem dos Engenheiros. Pelo menos não passo vergonhas destas...

Sem comentários: