Sonhos, ou melhor, ideiais


Ando a reler mais um livro do Peter Hoeg. Não há volta a dar-lhe, gosto mesmo dos livros dele. Este é um pouco estranho: ao longo de várias histórias que se cruzam aqui e ali, vão-se recriando alguns sonhos sociais. Segundo o autor, vão-se recreando alguns dos ideias dinamarqueses do seculo 20. O resultado é um livro que tem algo de fantástico (a história sobre conseguir-se o absoluto controlo do tempo ou sobre fazer o tempo parar têm de, forçosamente, dar origem a algo estranho) misturado com histórias normais. Mas sempre com pausas para nos mostrar porque é que algo corresponde, de certa forma, a um certo sonho.
Um livro para quem gosta de ler devagar, a saborear as interpretações do narrador.


Sem comentários: