Nostalgias

Quando ia a caminho de Viana, a certa altura o ipod decidiu tocar Zeca Afonso. Aproveitando a deixa, fui o resto do caminho a ouvir fados, guitarradas de Coimbra e baladas de intervenção. Zeca, Luis Goes, Adriano Correia de Olivera, António Portugal, Jorge Tuna, Durval Moreirinhas, António Bernardino, Machado Soares, Carlos Paredes. Foram a fazer-me companhia aqueles homens que admiro há muitos anos.
E tive um ataque de nostalgia pelos meus mui breves tempos de fadista de Coimbra. Nostalgia da preparação do espectáculo, os ensaios, o moldar as unhas postiças aos meus dedos, garantir um par de Savarez Cor-de-Rosa novas não vá partir uma corda, unhas da mão direita grandes para um som perfeito, a viagem, a alegria e a ansiedade de um espectáculo, as variações e as baladas (que saudades da Boneca de Trapos na voz do Dr. Horácio), a Aguarela Portuguesa transformada num óleo de pinceladas fortes adolescentes. Tempos idos que não voltam. Mas de que hoje me lembrei.

Deixo-vos em boa companhia com um hino à liberdade!

1 comentário:

Owl_mania disse...

No meu dia-a-dia tenho momentos dessa nostalgia... Ando sempre acompanhada de fados de coimbra e do Zeca Afonso... :)