Mudanças

Hoje dei por mim a pensar em mudanças. Mudanças em mim.
A primeira tem a ver com o conceito de normalidade. Quando cheguei a Angola os meus olhos arregalavam-se constantemente de espanto. Tudo era novo e diferente. Adaptei-me depressa mas não era normal. Os contrastes custavam-em muito. Hoje apercebi-me que o normal para mim é que tenho aqui agora. Tanto é normal o Belas e os seus chocolates da Fauchon como os sofás e os bancos de candongueiro que se vendem na estrada de Viana para lá das poças de água verde onde imagino peixes mutantes a nadas, é normal jantar um bom bife ou comer muanba com funge de bombom, é normal comprar pesto n0 melhor supermercado da cidade e fruta nas senhoras da rua, é normal saltar os riachos de água suja e passar o dia na praia, num ambiente tropical cheio de expatriados. O meu conceito de normal mudou.
A outra mudança é menos importante mas muito simpática. Fui criada no interior, as férias eram na aldeia entre a apanha das batatas e as festas de Agosto. A praia era algo a que ia alguns dias por ano, aos fins-de-semana. O mar era um lugar bonito mas assustador, sobretudo porque não sabia nadar. No Porto apaixonei-me por aquele mar cinzento, frio, forte, companheiro perfeito de uma esplanada e um livro. Aqui, a praia está a conquistar-me. Resisti-lhe muito tempo porque os lugares de que ouvia falar eram aqueles onde todos os colegas vão e não queria passar os fins-de-semana a ver as caras de sempre. Mas agora percebo que mesmo nesses lugares, há cantos. Em vez do lado direito da praia, há o esquerdo. Um colega que também gosta de não ver as caras de sempre, falou-me de outros lugares. E mesmo que se veja alguém por lá, troca-se um aceno de longe e eventualmente um bom dia e mais nada. E a água do Mussulo está a conquistar-me. Um mar calmo, sem ondas, onde alguém como eu pode aprender a lidar com a água, aprender a não ter pé sem panicar quando tenta tocar no chão e ele não está lá. A praia e o mar estão a conquistar-me.

P.S. Consequência directa: 3 ou 4 dias de praia, mesmo que enfiada debaixo de um guarda-sol e muito protector 40, e eu já estou muito morena. Se não me reconhecerem, eu percebo.

5 comentários:

tasjaber disse...

Quem te viu e quem te vê, um grande bem haja! Bj

eMe-a-eMe disse...

aiiiii que falta nos faz por cá um solzinho, uma praia, um pouquinho que seja de calor. parecia que arrebitava mas já lá vêm mais uns dias de chuva e descida de temperatura. olha, no seguimento daquela nossa conversa sobre o que não mudou neste país, não foi o tempo.

rosário albuquerque disse...

Parece-me a mim que te adaptaste melhor a Luanda do que eu à aldeia onde agora vivo. Parece-me...

M disse...

tenho gostado mt de ler estes últimos posts. sinto-te bem!

MauFeitio disse...

:-) Sim M, estou bem. Mas não deixa de haver uns dias difíceis de vez em quando. A minha vida é aqui agora e durante mais 2 anos. Melhor aproveitar e aprender a viver!