Um Deus Desconhecido

Um dos meus livros favoritos de sempre. Acho que um dos livros que me pôs a ler o resto da vida.  E hoje, enquanto lia um livro do Gonçalo Cadilhe que me ofereceram por adoro viajar, encontrei este parágrafo:
Na passagem da infância à vida adulta creio que todos procuramos símbolos, certezas claras, modelos de comportamento, conjunto de valores. Procuramo-nos a nós próprios e tentamos definir em que acreditamos no tempo que nos falta ainda viver. A Um Deus Desconhecido libertou-me da religião organizada, abriu-me a sensibilidade para outras formas de relacionamento com o mistério da Criação que não passam pelos Livros Sagrados, pelos dogmas revelados, por uma autoridade central a quem temos que delegar a nossa espiritualidade.
Nem mais. É exactamente por isto que gosto do livro. E é claro que o facto de estar estupidamente bem escrito ajuda!

Comentários

Eva Lima disse…
Não conhecia ninguém que tivesse gostado tanto deste livro como eu. Para mim o melhor dele, gostei mais que da Vinhas da Ira e do Ratos e homens.
Eva Lima disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
MauFeitio disse…
As Vinhas da Ira é muito mais deprimente. Ratos e Homens nunca li....
MauFeitio disse…
Este comentário foi removido pelo autor.