Flexibilizar - o outro lado da história

Depois do post de ontem e do muito que se falou sobre flexibilizar horários de trabalho, reparei que a maioria das pessoas se referem a isso por associação aos filhos. O que me parece bem. Genericamente.
Mas há um outro lado da medalha. O lado dos que não têm filhos. E esses não têm de pagar porque os colegas decidiram ser pais. No meu caso, o facto de eu estar envolvida em processos internacionais tem muito a ver com o facto de não ter de levar família atrás. Mas também tem a ver com ter colegas que têm família e portanto ficam sossegaditos no seu canto, sem se deslocarem, com horários inflexíveis. No meu caso, eu diverti-me com os projectos internacionais. Aprendi, conheci mundos novos. Mas fui escolhida porque os outros não podiam / queriam ir.
Por isso, um alerta: isso da flexibilização é porreiro desde que o trabalho a mais não caiam sobre o vizinho do lado. Porque eu não tenho culpa que os filhos dos outros existam.

P.S. Ok, já sei, estou a ser mázinha. Mas há que ter todos os lados da história, certo?

Comentários

Não estas a ser mazinha, estas simplesmente a ver um outro lado da moeda do que acontece actualmente, onde não ha flexibilização organizada, ou não ha ponto final. Se tudo estiver bem assente e estruturado, as empresas, tal como as pessoas, teriam bases solidas para planificarem e encontrarem soluções interessantes para toda a gente. Actualmente, se uma mãe ou pai tem que se ausentar falo pontualmente e os outros devem organizar-se para fazerem o trabalho dele. Se tudo estiver pré-definido e exposto na mesa, vai haver menos imprevistos e menos faltas.
MauFeitio disse…
esperemos que sim! :)
Patinha Feia disse…
Não estás a ser nada mázinha! Está a ser realista. Quem não tem filhos também tem direito a ter tempo para a vida pessoal - não deve se tornar "escravo" do trabalho. As oportunidades, tanto profissionais como pessoais, devem ser para todos - o saber ou querer agarrar essas oportunidades depende de cada individuo. Infelizmente o que acontece na maioria das empresas é que essa opção é feita, muitas vezes, pelas chefias. E quem tem filhos acomoda-se prejudicando muitas vezes (a nivel pessoal)os colegas que não tem. Acho muito interessante o teu ponto de vista e confesso que ultimamente ando saturada das horas que tenho de passar no escritório... Bjs e bom fds!!!