Acordar com chuva

Em Luanda nunca acordo com a chuva. Entre o quarto e a rua há uma varanda fechada que me isola de tudo menos do grito dos candongueiros. Além disso, aqui, a chuva não promete o caos na cidade, não promete horas parada em filas de trânsito.
Além da chuva, tenho vento da laranjeira do lado de fora do meu esconderijo, tenho o vento em árvores grandes e viçosas e o cheiro a mar que se infiltra de vez em quando.
E tenho livros e fios de crochet e internet para ver padrões e aprender a fazer coisas. Estou, finalmente, de férias!

P.S Esqueci-me da Nina em casa. Azar.

Comentários

papoila disse…
Uns começam outros acabam!
Amanhã recomeço um novo ano de trabalho que só espero seja próspero e cheio de saúde!
A ti, desejo que tenhas umas excelentes férias.
até breve
MauFeitio disse…
Bom recomeço Papoila!!
Um abraço!
Tobias disse…
ai! que descrição paradisíaca! :) ....os fios eu dispensava, claro está!... ;)