Preguiça ou um direito?

Achava eu que depois da vinda das forças do mal, o trabalho ia desacelerar um nadinha. Nada disso. Continua frenético. A lista das coisas a fazer aumenta todos os dias por mais que esforce por dar muitas como feitas. E, às sexta-feiras, o pânico é sempre o mesmo: preciso trabalhar no fds. Mas ontem havia coisas giras de que tratar e depois uma montanha de outras coisas boas; hoje, olhei durante meia-hora para o computador a tentar decidir se o trazia ou não para a esplanada. Acabou por ficar em casa. Veio o pequenino, destinado a actualizar o blogue, ler as páginas de que gosto, perder a cabeça com tecidos.
E pronto, cá estou eu a tentar lidar com a culpa de não ter adiantado nada no fds. Mas bolas, não trabalhar ao fds é um direito que muito boa gente batalhou para termos, certo? Vou ver se consigo ser uma pessoa normal e aproveitar o meu domingo.

1 comentário:

Tobias disse...

:)
o meu domingo tb foi de descanso. Havia muito que fazer, é certo... Mas ele há dias!... ;)