O pior do meu trabalho

O pior do meu trabalho, aqui em Angola, tem a ver com acidentes e saúde. Quando alguém fica doente, não tem cá a família para o levar ao médico ou ao hospital. Sobra para os colegas de trabalho, os amigos. Se a coisa é grave, para a segurança e os recursos humanos. Nos acidentes de trabalho, estamos inegavelmente lá.

E pronto, por estas e outras de domingo para segunda cheguei a casa às 4 da manhã depois de um colega ter alta. Ontem, dois acidentes de trabalho, outras tantas clínicas, viagens alucinantes de ambulância Luanda fora, esperas, preocupações, gente na retaguarda a tratar dos papeis. Enfim, estão todos bem. Nenhum inspira cuidados.

Mas eu estou com uma enorme tareia no corpo e uma vontade enorme de mudar de vida. Estaria pior se não tivess alguns colegas fantásticos e incansáveis, é verdade. Mas ainda assim, não se aleijem por uns dias, ok?

1 comentário:

Naná disse...

Os acidentes de trabalho, só por si, não matam mas moem.
Por isso, muitas vezes não tenho saudades nenhumas das obras.
Disso só sinto mesmo a falta dos colegas fantásticos!