Saudades

De vez em quando faz-se luz na minha cabeça. Há uns conceitos que ficam claros, coisas que de repente digo sem me aperceber que aquilo vai finalmente meter muita coisa no lugar.
Nos últimos dias apercebi-me melhor do conceito "saudade". Porque basicamente percebi que há dois tipos de saudade.
Há a saudade do passado. Dos tempos da faculdade, das brincadeiras de criança, do leite com bolachas maria que a minha mãe me levava à cama quando eu tinha tosse de noite.... São saudades de coisas que passaram e, se estivermos de bem com o passado, são uma coisa boa.
Para mim, as saudades do presente são bem mais terríveis. São as saudades de não estarmos neste momento onde queríamos estar. As saudades daquela pessoa que gostávamos que visse aquela nuvem ou fizesse connosco aquela viagem. As saudades da comida da minha mãe e dos abraços dos sobrinhos (não de sangue mas de coração) e dos afilhados.
Acho que, no fundo, passei uma parte destes 3 anos com saudades do presente. E sinto que se agravam a cada dia que passa.
Quantas semanas faltam mesmo para o Natal?

2 comentários:

Carla R. disse...

Ouvi esta semana na radio que a saudade era a nostalgia de acontecimentos que não aconteceram. Acho que nasci com saudade.

Em relação a essa saudade do presente, como tu lhe chamas, todos os que vivemos longe devemos senti-la, conto 10 anos de saudade dessa, mas não posso dizer que concorde com o nome que deste. E o presente que andamos a viver ?

MauFeitio disse...

Tens razão Carla... Saudades do presente é provavelmente um mau nome. E sim, coisa típica de quem está fora.
O presente que vivemos, tem de nos satisfazer! Temos de o aproveitar todo. E se calhar estas saudades que sinto são de alguma forma temporárias... Ou seja, estão sempre lá mas agravam-se numas alturas....
Se calhar devia chamar-lhe saudades de pessoas...