Histórias de um sábado

Descobri um mercado de frutas e vegetais no Princípe Real. De pequenos produtores. Ok, mais caro que num supermercado. Mas cheiravam bem! E pode trazer-se a quantidade que se quer. E é um lugar a juntar aos ovos rituais lisboetas.
Descobri mais umas lojas gourmet. Daquelas que não precisamos mas que sãomum mimo e serve, para descobrir aquele mimo para um jantar. Ou um mimo para um amigo.
Descobri a que vai ser a retrosaria das linhas e fechos e afins. Daquelas antigas, com empregados que sabem muito. E, à pála do que trouxe de lá, aventurei-me a emendar dois pares de calças de ganga. Afinal está na hora de deixar de cravar estas coisas à minha mãe.
E agora estou ali a acabar um taleigo almofadado para que a Nina ande mais vezes comigo (a mochila da Nina é óptima mas péssima para o dia-a-dia). A ver se amanhã mostro o saco, espero que com fotografias decentes porque hoje decidi que ia seguir os conselhos do Quarto de Mudança e aproveitei  para comprar umas cartolinas brancas que vou testar amanhã.
E ainda passei pela Retrosaria e trouxe 4 novelos de Beiroa para fazer uma espécie de colete que vi na última revista da Noro.
E ainda tive tempo de almoçar com a Anabanana num lugar que não conhecia e combinei um brunch noutro lugar novo para amanhã. E agora vou voltar ali para o meu taleigo se não se importam....

1 comentário:

Anónimo disse...

E na primeira rua à esquerda, desse mercadinho biológico do Princípe Real, no sentido do Largo do Rato, fica o Cláudio Corallo, onde podes beber um excelente café ou o melhor chocolate quente do mundo (tudo vindo da plantação dele em S Tomé e Princípe). Tem, também, chocolate para comer lá ou levar para casa. Verdadeiros mimos gustativos.