Dos dias lentos

O dia de hoje acordou solarengo. Entra luz pelas janelas logo cedinho.
Descobri que tinha um suporte de filtro para café portátil que esteve perdido durante anos no fundo de uma gaveta e que agora redescobri. Descobri mais um diospiro pronto a comer.
Descobri que a senhora da florista aqui de baixo é sempre simpática. E que é um prazer e ficar indecisa sobre o que vou trazer para casa no meio de tanta cor.
Descobri que hoje é domingo. O trabalho está atrasado no escritório mas o computador continua ali, encostado a uma parede.
O sol continua a entrar pelas janelas quando saio rumo a uma overdose de açúcar com os croissants do "Careca". E continua a entrar pelas janelas quando regresso. Agora? Almoçar qq coisa e depois vamos lá de acabar mais uma prenda de Natal que está nas agulhas. E colocar música da boa a tocar para fazer companhia. E o livro do Hemingway que comprei ontem parece, tal como deve ser um Hemingway, muito bom.
E o meu domingo favorito é assim. Lento. Cheio de coisas pequenas.

1 comentário:

Enjoy the Ride disse...

aaaaaaaaaaaaaaaaai, os croissants do Careca! :)))