E na linha do post anterior

Não existe outra terra, meu amigo, nem outro mar,
Porque a cidade irá atrás de ti; as mesmas ruas
Cruzam sem fim as mesmas ruas; os mesmos
Subúrbios do espírito passam da juventude à velhice, 
E perderás os teus dentes e os teus cabelos
Dentro da mesma casa. A cidade é uma armadilha. 
Só este porto te espera, 
E nenhum navio te levará onde não podes.
Ah! então não vês que te desgraçaste neste lugar
E que a tua vida já não vale nada 
Nem que tu vás procurá-la nos confins da Terra?

In Justine de Lawrence Durrel

Sem comentários: