Declutter

O meu irmão diz que sou pouco agarrada às coisas. Acho que ele não tem razão.
Ando aqui a ver o que vai ou não... e a verdade é que 99,9% das coisas da casa têm uma história. A minha história.
O tapete que veio de Essouira.  Os tapetes que a minha mãe me bordou em ponto de Arraiolos.
O bule com chávenas que me trouxeram de Saigão.
As máquinas em miniatura que o meu irmão me ofereceu. Os perfumes que ele me deu. Os livros que trouxe das suas viagens.
A pega que a minha mãe me deu um dia e que eu me lembrava de quando era miúda.
As minhas chávenas século XIX oferta de amigos.
O candeeiro oferecido pela minha mãe para a casa do Porto.
As maracas de Maputo.
Os quadros de Angola. As fotografias e serigrafias que fui coleccionando ao longo da vida.
A arca que raptei da aldeia. E a que comprei numa road trip com amigas.
A toalha bordada que só por me conhecer aquela bordadura aceitou fazer. Feita de linho tecido em tempos pela minha avó.
O set miniatura de chá oferecido pela secretária em Marrocos.
A jarra que está na família desde que a minha mãe se lembra.

Podem dizer que são apenas coisas. Pequenas coisas. Mas que, para mim, são tesouros! Dos verdadeiros! E. claro está, vão comigo!

1 comentário:

Isilda disse...

Essas "pequenas coisas" são a tua grande casa, seja lá isso onde for:-)
Beijinho