Aviso à navegação - Eu NÃO sou uma agência de emprego

Desde que arranjei emprego, têm acontecido uns fenómenos estranhos que me começam seriamente a cansar por isso é melhor pôr os pontos nos i antes que um dia destes eu me passe a sério. 
1 - Ligarem-me a pedir emprego
Eu não estou a contratar. Faço parte de uma equipa que tem neste momento os elementos que precisa de ter e eu não vou ter uma equipa a trabalhar abaixo de mim por isso eu não estou a contratar. Tanto quanto sei, a empresa onde trabalho, em Inglaterra, também não está a contratar por isso não, não vos consigo arranjar emprego. Só num caso muito especial, uma pessoa com quem trabalhei vários  anos e em quem confio totalmente, e que ainda por cima um grande amigo também conhece e confia, perguntei se haveria uma vaga para aquela pessoa. Não havia. Com muita pena minha porque adorava tê-lo como colega de trabalho. Voltarei a fazê-lo para aqueles que me merecem a minha total e absoluta confiança. Mas apenas esses.

2  - Ligarem-me a perguntar como se arranja emprego
Excepto quando comecei a trabalhar à 18 anos atrás, esta foi a primeira vez que tive de arranjar trabalho. Não sabia como se fazia nos dias de hoje. Por isso, peguei no que estava disponível: a internet. Fui aos sites das empresas, pesquisei, vi ofertas que andavam aí, mandei CV nos casos em que me parecia que podia responder ao pedido. Recebi muitos “não obrigada” e um dia recebi um “queremos fala contigo”. Fiz entrevistas e fiquei com o trabalho. Sorte, o CV certo para o lugar certo e mais sorte por ter sido entrevistada por pessoas que acharam que eu era a pessoa certa.

3 - Ligarem-me a pedir para apresentar empresas à minha empresa
Aqui pia ainda mais fino: as únicas empresas que recomendaria são aquelas para quem eu trabalhei. A empresa a que sempre pertencerei de coração já recomendei e recomendarei sempre porque meto as mãos no fogo por eles. Confio. Conheço. Sei o que valem. Mas tirando isso, não vou apresentar empresas que não conheço de lado nenhum. 
Não se esqueçam por favor que eu acabei de chegar. Acham mesmo que me sinto confiante para introduzir meio mundo? E se calhar, vão ao site perceber o tamanho do bicho para quem trabalho para ver se acham mesmo que têm potencial para parceiros antes de pedir favores.

Eu tive muita gente a oferecer-me ajuda para arranjar emprego. Estou infinitamente grata a todos. Só num caso pedi para me fazerem alguns contactos. Era um mercado um pouco novo para mim e sem um apresentação, dificilmente lá chegaria. E fizeram isso porque quem me apresentou conhece o meu trabalho e confia profundamente. Mas eu não era o que procuravam. Mas tirando isso, o meu objectivo era safar-me com o meu CV e com a minha (má ou boa ou depende dos dias) personalidade e metodologia de trabalho. Ok, também tive sorte porque arranjei emprego antes de ter tempo de entrar em pânico e ter de começar a tocar às campainhas. Mas honestamente, acho que ia demorar muito a fazer isso. Porque se alguém apresenta o nosso CV, essa pessoa fica comprometida. E se afinal eu me revelasse incompetente naquele lugar? Era o meu amigo que ficava com fama de sugerir uma artista que afinal não valia a pena. E eu não quero fazer isso aos meus amigos. 

Se eu consegui, tenho a certeza que os outros também conseguem. Vão à luta minha gente. Por vocês. Com o que vocês sabem. Se eu consegui, tenho a certeza que os outros também conseguem.

Sem comentários: