E porque a vida anda a ser pouco documentada…

… decidi que está na hora de fazer mais um 365 fotográfico. O último (e primeiro) foi em Angola. Retratou mulheres a vender na rua, idas à praia, a cidade de Luanda. Férias e o espanto que me causava a normalidade de Portugal. Agora moro noutro lugar. Que tem uma beleza diferente, uma monumentalidade diferente mas que é, de alguma forma, também muito normal. Se calhar por isso tenho fotografado pouco. Porque os olhos já não se espantam como espantaram em tempos. O que é seguramente uma pena porque todos os dias algo nos deve espantar. Todos os dias há seguramente algo que chama o meu olhar. Ou devia chamar. Ou chamará seguramente se eu me decidir a isso. Por isso, minha gente, aqui vem novo 365. Vamos fazer isto de forma fácil: não prometo vir aqui todos os dias colocar fotografias (até porque, por exemplo, hoje estou a escrever isto sem net e por isso farei o upload quando fizer). Mas vou tentar tirar uma foto por dia. E fazê-la representar o meu mundo. O que pode ser que me inspire a dar um novo fôlego a este cantinho da blogosfera que tão abandonado tem andado. Não é por mal, é porque é. Porque todos nos calamos às vezes, apenas porque sim. Ou porque a blogosfera e o facebook e o instagram estão tão cheios de pensamentos (será?) e imagens (isso de certeza) que, afinal, que tenho eu a dizer? Mas isso também significa que estou a abandonar o que era o objectivo inicial deste blog: escrever para mim, irritar-me com o que me apetecesse. Por isso, durante um ano, posso escrever pouco mas vou fotografar os nadas dos dias banais. 



Sem comentários: