#49 - 31-8-2016

As mãos e as linhas continuam a ser aquilo para que volto ao final do dia. A cabeça pode estar cheia de coisas, mas a necessidade de construir não diminui.

Sem comentários: