Vida de emigrante ou se calhar nem por isso

Antes, sempre que estive fora a trabalhar, tinha um contrato em Portugal, o que fazia de mim uma expatriada. Agora que o meu contrato é fora, tecnicamente sou emigrante. Mas acho que sou emigrante com espírito de expatriada: estou aquilo para ganhar a vida. A sério acima de tudo, não importa onde esteja, quero viver. E quero viver onde estou. O que significa que não sou maniaca de encontrar coisas portuguesas. Passei por essa fase, é verdade, mas há muitos meses que não me preocupo com isso.
Hoje vai ser a excepção. Estou a caminho de um mercado português r à tarde vou receber amigos portugueses para comermos castanhas assadas. Na verdade, nunca deixamos de ser quem somos.

Sem comentários: