Eu consigo, eu consigo... ou o mantra que digo a mim mesma para chegar até ao fim

Ele há livros que assustam. Porque quando começamos a ouvir falar deles, percebemos que são obras primas difíceis, coisa de gajos que são atropelados por um camião depois de acabar o doutoramento sobre duas páginas do livro. Para mim, o bicho papão sempre foi Kafka e Joyce. Os livros (ou pelo menos alguns) estão nas minhas prateleiras há anos, à espera que eu ganhe coragem. Há sempre mais alguma coisa para ler. Por isso aqueles foram ficando para trás.
Mas afinal, sou uma mulher ou sou um rato? Vou assustar-me assim com uns livros que alguém deve ter lido ou não seria famosos como são? Vou mesmo deixar isto assustar-me? Eu não sou um rato! E pronto, lancei-me ao teoricamente mais fácil (não sou um rato mas também não sou parva!). America de Franz Kafka. E vou chegar até ao fim por sou teimosa que nem uma mula. E vou ler os outros porque não sou um rato. E porque ao menos, depois disso, vou poder dizer "Já li, não fiquei fã". Ou se calhar fico. Logo vemos quando chegar ao final.

Sem comentários: